destaque

destaque

terça-feira, 23 de julho de 2013

ESPORTE DE LUTO - Aos 84 anos morre Djalma Santos, bicampeão mundial com Seleção Brasileira

Djalma Santos (à esq) Zito e Pelé, em 1963
Bicampeão mundial com a Seleção Brasileira, o ex-lateral direito Djalma Santos, 84 anos, morreu na noite desta terça-feira, em Uberaba-MG. O ex-jogador estava internado no Hospital Dr. Hélio Angotti e não resistiu a uma parada cardiorrespiratória, causada por decorrência de uma pneumonia grave e instabilidade hemodinâmica.

Djalma Santos foi internado em 30 de junho, momentos depois de a Seleção Brasileira vencer a Espanha por 3 a 0 no Maracanã, conquistando o título da Copa das Confederações. Teve diagnosticada pneumonia, e com a piora acabou internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), na qual ficou até o dia 11.

Ainda internado, voltou à UTI no sábado, após piora de saúde. Passou a apresentar comprometimento de função renal e respirava com ajuda de aparelhos. Djalma Santos não resistiu a mais uma recaída: sofreu parada cardiorrespiratória e morreu aos 84 anos.

Um dos melhores laterais do mundo
Referência na lateral direita para qualquer jogador da posição, Djalma Santos defendeu a Seleção Brasileira em quatro Copas do Mundo (1954, 1958, 1962, 1966). Mas foi no Mundial da Suécia, em 58, que o atleta apareceu para o futebol. Na ocasião, ele foi eleito o melhor da competição na posição, apesar de ter disputado apenas a última partida contra a Suécia. No bicampeonato do Chile, em 1962, o lateral seria titular absoluto do setor.

Paulistano, nascido em 27 de fevereiro 1929, Djalma atuou em apenas três equipes durante a carreira como profissional. Na década de 50, vestiu a camisa da Portuguesa, naquele que se transformaria no melhor time da história do clube. O atleta se transferiu para o Palmeiras em 1959. Na equipe alviverde, onde permaneceria por dez anos, ajudou a derrubar o memorável Santos de Pelé e companhia ao conquistar os Estaduais de 1959, 1963 e 1966.

A última parada de Djalma Santos foi na cidade de Curitiba, quando jogou pelo Atlético-PR e pôs fim a longa carreira aos 42 anos. Radicado em Uberaba-MG, Dejalma dos Santos, seu nome verdadeiro, monitorou um projeto de esportes da prefeitura da cidade mineira. No ano de 2008, ele e os companheiros de Seleção foram homenageados em função dos 50 anos do título mundial de 1958. 

Nenhum comentário: